domingo, 27 de junho de 2010



sábado, 26 de junho de 2010

apenas para registro

Agora, nada de ficar mostrando as "partes" pois sou um gato educado!

terça-feira, 22 de junho de 2010

VIVAS AOS ANIVERSARIANTES

Um bolo para o Garfield e outro para o meu humano que hoje, como dizem, é o aniversário dele.

sábado, 19 de junho de 2010

terça-feira, 15 de junho de 2010

Humanos, Plantas e futebol...

Cara: chegou a tal da Copa do Mundo. É futebol todo dia e eu adoro. Tenho uma bolinha a qual jogo pela casa toda e me divirto a valer. Hoje a humana vovó veio ver o jogo na minha casa e eu demonstrei todas as minhas habilidades, rolando e correndo atrás da bolinha. Como ela veio almoçar também, acabou que não sei de onde, mas apareceu um vaso com cinco cores de flor. Muito bonito por sinal. Agora, pensa comigo: é ou não é entediante quando humano almoça? Pois então, eles ficam lá em volta de uma mesa, você aqui no chão, sem ver nada, sem saber o que se passa, sem nada receber, sentindo cheiros e sem poder subir lá... Um tédio! Pois bem, aproveitei esse tempo livre, digamos assim, e fui dar uma boa olhada no tal do vaso e suas flores. Olha, foi um desastre. Só por ter comido algumas folhas passei mal e vomitei tudo. Como é que eu ia saber que a tal planta, por ser de floricultura, vinha borrifada com veneno? Como? Minha humana faz sempre um vaso pra mim, com alfafa e aveia, e eu adoro. Como eu ia saber a diferença? Aliás, mesmo se tivesse uma placa eu não sei ler... humanos sem noção!

domingo, 13 de junho de 2010

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Um gato entre livros

"Como é possível que um gato abandonado transforme uma pequena biblioteca, salve uma típica cidade americana e se torne famoso em todo o mundo? A história de Dewey começa da pior forma possível. Com apenas algumas semanas, na noite mais fria do ano, foi enfiado na caixa de devolução de livros da Biblioteca pública de Spencer. Encontrado na manhã seguinte, Dewey conquistou o coração de todos os funcionários da biblioteca, ao distribuir por todos gestos de agradecimento e amor. Nos anos que se seguiram, nunca deixou de encantar as pessoas de Spencer com o seu entusiasmo, vivacidade e, acima de tudo, o seu sexto sentido: percebia sempre quem necessitava mais dele. À medida que a sua fama crescia de cidade em cidade, de estado em estado e, surpreendentemente, por todo o mundo, Dewey tornou-se, mais que um amigo, um motivo de orgulho de uma extraordinária cidade rural no coração da América, que lentamente se ergueu da maior crise da sua história."

PS1: sinopse da FNAC 
PS2: Vou logo explicando: não estou com ciumes mas... Isto é só para vocês verem que o tal do Boris não é original...

terça-feira, 8 de junho de 2010

FERIADO II

Que meus humanos foram passear já não é novidade, mas veja as lembranças que eles conseguiram:
1) um parafuso de dormente (velho, enferrujado, inútil);
2) uma foto de uma mancha de óleo;
3) uma pedra do rio que forma a caverna;
4) foto da caverna;
5) foto de um gato que toma conta da livraria (eu fiz que acreditei);
6) um quilo de farinha de mandioca extra-fina;
Olha, eu fiz o possível para admirar cada coisa... até exercitei meu olfato e tudo, mas venhamos e convenhamos, e eu? Nenhum brinquedo? Nada? Pra que me servem estas coisas?

segunda-feira, 7 de junho de 2010

FERIADO

Pois é... meus humanos foram passear e me deixaram na casa da humana vovó. Até ai, tudo bem, já estou acostumado e me tratam bem. Agora, ir pra uma tal de Curitiba e visitar o gato Bóris, ai ai ai... foi um pouco demais da conta. Vejam vocês que afronta: o tal do gato Bóris, que (dizem) tem Orkut e tudo, parece que toma conta de uma livraria lá naquela cidade. E fica no balcão em cima dos livros... e meu humano falou que quando foi mexer nas prateleiras o tal do Bóris foi lá miar pra ele. Tipo: "pare de mexer nas coisas!"
Sabe, não é que eu esteja com ciumes, mas ir visitar gato estranho é quase uma afronta ao bom senso. Vejam a foto que fizeram lá... minha humanan cheia de pose. Parece até que está ao lado de algum famoso de rollewoody. Vergonha! Olha o dito-cujo de coleira e crachá (um subalterno, portanto)... E ficar em cima de livro eu também sei...Oras!